sábado, 10 de julho de 2010

DOIS COLEGAS, DOIS DESTINOS

Era um menino bonito, vivo, simpático.
Corria alegremente pelo pátio do então Grupo Escolar João Belém. Mais tarde era o centro das atenções no pátio do Colégio Manoel Ribas.
Corria a década de 50 na pacata Santa Maria, RS.
No entanto, o adolescente tinha um certo desvio comportamental. Gostava de abusar com os colegas de famílias mais pobres. Os que não usavam roupas de grife. E muito menos frequentavam os salões do Comercial e Caixeiral.
E fazia isso acintosamente. Jogando no ridículo os baixinhos. Os gagos. Os que tinham deficiência visual e usavam óculos, a quem ele chamava de "quatro-olho".
Tinha predileção por tirar sarro ("inticar" se dizia naquela época) com um aluno tímido, calado, de boca pequena a quem ele apelidou de "boquinha-de-chupar-ovo".
Passaram-se vinte e cinco anos.
E cada aluno tomou seu rumo. Foi trilhar seu destino.
Por estes estranhos desígnios o grande gozador de outrora e de futuro brilhante, virou ascensorista.
E o "boquinha-de-chupar-ovo" passou a subir pelo elevador onde seu outrora algoz trabalhava. Porque dava aulas naquele prédio da universidade.
Um dia o encontrou deitado no elevador, bêbado, vomitado e urinado.
Foi aposentado por alcoolismo o outrora gozador.
Abandonado pela mulher, meses depois deu um tiro no ouvido.
Enquanto o outro, tímido e pobre garoto de outrora, continua dar suas aulas na universidade.
E na hora do recreio come ovo na cantina do campus.
Deixando cair alguns respingos de gema no avental imaculado.
Com sua boca pequena.

*************************
AUTOR : James Pizarro

Um comentário:

Ângela Coelho disse...

Sempre devemos nos lembrar que o mundo dá muitas voltas.
Abraços.