quarta-feira, 18 de novembro de 2015

O Tênis

James Pizarro
por James Pizarro em 23/07/2015
Compartilhar:
Mais opções
Nos anos 70 aprendi a jogar tênis nas quadras do ATC - Avenida Tênis Clube, de Santa Maria. E durante os anos 80/90, praticamente todos os dias, passava as minhas horas de folga nas dependências do clube, ora fazendo sauna, ora jogando tênis, ora fazendo churrasco, ora jogando bocha. E os familiares juntos.
Na quadra número 1 jogavam somente os tenistas veteranos. Na quadra 2, os “Seniors A”. Na quadra 3, os “Seniors B”. Nas quadras 4, 5 e 6, os juvenis, as mulheres e os demais tenistas que não disputavam o ranking. Grande número disputava por puro lazer, entretenimento, e pouco estavam se importando para o resultado da partida. Já outros, principalmente entre os veteranos, se concentravam, dormiam cedo, e entravam na quadra como se fossem disputar uma final em Winblendon. Lembro de dezenas daqueles queridos amigos.
Anterinho Scherer (médico, ex-prefeito de Cacequi, famoso por suas folclóricas histórias); Máximo Knackfuss (professor do Curso de Engenharia da UFSM,que se emburrava por qualquer motivo); Ênio Ferraz (representante de laboratório médico, apelidado de “Nonô”, que teve a capacidade aeróbica tirada pelo tabagismo); Leitão (de pavio curto, principalmente nos jogos de duplas, pois já no primeiro erro do seu companheiro começava a reclamar); Arno Böhrer (era o alvo predileto das brincadeiras do Jarbas Cunha e, ignorando sua idade, jogava várias horas por dia)
Lembro especialmente do Abdo Achutti Mothecy,farmacêutico,ex-jogador de basquete, dono de uma loja de aviamentos militares - e também de cortinas - na praça Hector Menna Barreto (ex- praça da República), mais conhecida por “pracinha dos Bombeiros”. De origem libanesa, Abdo foi casado com Tereza dos Santos Mothecy, mais conhecida por “Terezinha” ou “Tereca”. Lembro que o térreo da loja do amigo Abdo era quase uma extensão do ATC, pois ali se reuniam para tomar cafezinho os veteranos do clube, às vezes atrapalhando as atividades comerciais do dono. O Abdo sempre foi generosamente um pacificador, um aglutinador. Adorava pescarias e histórias antigas da cidade.
Lembro de outros companheiros tenistas da época : Adaí Bonilha, Olga Bonilha, Álvaro Pfeifer, Arno Werlang, juiz, diretor do Fórum de Santa Maria, hoje desembargador em Porto Alegre, Arlindo Mayer, Armando Vallandro, Alnei Prochnow, Claudio Morais, Dalmo Kerling, Dalton Kortz, Darkson Cunha, Evaldo Morais, Gerson Morais, Heitor Silva, Jorge Merten, José Carlos Pithan, Luiz Carlos Lang, Luiz Carlos Pistóia Oliveira, Luiz Carlos Morales, Luciano Rocha, Manoel Argentino Sissy,Manoel Vianna, Paulo Roberto Oliveira, Cel.Sampedro, Roberto Bisogno, Roberto Leitão, Eng. Lang, Cel.Bins, James Souza Pizarro (meu filho e mais de uma centena de amigos, impossíveis de nominar a todos).
Infelizmente, a morte vai levando os companheiros. Ou se mudam de cidade ou de clube. Ou deixam de jogar. Ou se distanciam. É a vida.

Nenhum comentário: